segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Peso do nada


"Sou formada por ausências,
Solitude, abstinências,
Que muitas vezes esmagam
Os gritos do meu silêncio!

Sou feita de mil querenças,

Anseios e transparências,

Que muitas vezes emergem

Com a voragem de um tufão!

Sou fruta verde-madura,

Um travo de fel-doçura,

Aguardente que se traga!

Sigo cerzindo essa teia,

Segurando em minhas veias

Todo o peso deste nada!"

Eliane Stoducto

2 comentários:

Georgia disse...

Bom dia Regina, mas olha que eu nao recebi email nenhum seu. Fui até olhar se cairam no spam e nao achei nada por lá, senao teria te respondido.

Um beijo grande

Vania disse...

"Não posso ver seus olhos,
mas posso ler a sua alma...
É linda!"
¬ Sirlei Passolongo¬

Te Adoro