quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Adalberto Ricardo Contani




Versos vivos

Escrever, jogar com as frases.

Passar para o papel um estado de espírito.

É o que tento fazer.

Muitas vezes, consiga coisas coerentes,

Outras vezes, no entanto, só frases desconexas.

Então, rabisco tudo, passo a borracha...

Escrever,

Tentar transmitir aquilo que sinto...

Se estou amando, poemas de amor afloram

Em minha mente;

Se estou sofrendo, são os lamentos que

Ocupam meus pensamentos.

Algumas vezes, um vazio de apossa de mim,

Então sonho...

Fujo da realidade e tento criar um mundo

Novo, totalmente irreal;

Onde eu consigo cavalgar nas nuvens;

Desafiar as tempestades;

Ceifar florestas e emudecer trovões.

Onde eu consigo até catar estrelas,

Simplesmente levantando os braços.

Escrever,

Minh’alma está naquilo que escrevo,

Fico vulnerável nas minhas escritas;

Uma janela escancarada do meu ego.

Estou em tudo que escrevo...

Para alguns, posso ser um tolo;

Para outros, um apaixonado;

Para mim, um sonhador.

Talvez um dia, estes meus escritos,

Venham ser lidos;

E quem sabe talvez, eu não mais exista...

Mas, estarão me revivendo em todas as

Sílabas.

Pois, cada letra;

Cada palavra;

É como se fosse, pedaço de mim,

Em forma de versos.

Contani, Adalberto Ricardo, In Eu...Poeta? Edição do autor, 1982


Contani foi meu aluno nos anos de 1981 e 1982 no Curso de Formação de Professores do Colégio Cardeal Leme.

Poeta, ser humano sensível, pessoa generosa. Lançou seu primeiro livro, Eu... Poeta?, numa edição independente com 1000 exemplares na primeira tiragem. Todo resultado da venda de sua 1ª edição foi doado à Ação Cristã Vicente Moretti, instituição que presta assistência médica e reabilita pessoas portadoras de necessidades especiais, gesto que poucas pessoas tiveram conhecimento. Citando Lya Luft, “A generosidade não é ruidosa”.

Lançou o 2º livro, Momentos, em 1984 e em 2000 Tu... Vida.

Há uns três anos perdi o contato com ele sabendo através de sua irmã que passava por um momento difícil. Esta semana soube que partiu para o andar de cima, está poetando por lá.

Contani, onde quer que você esteja receba meu carinho, meu agradecimento por tantas latas de leite doadas para “minhas crianças” soropositivas, pela confiança de tantas confidências e pelo privilégio de ter escrito o prefácio do seu 1º livro.

Saudades!!!!!!!


5 comentários:

vivian disse...

Você sempre fazendo um afago nas pessoas que quer bem.

kaillanlucas disse...

Muito obrigado pela lembrança ao meu pai. Karine Contani e família

Walcker Mnezes Lira disse...

A muitos anos li o livro de poemas "Eu... poeta?" De alberto Ricardo contani.Desde então tentava adquirir o livro e não consegui,agora li que Ricardo nos deixou,que pena!gostaria de saber se consigo esse livro e como? Pelo menos um poema que diz....Adoro deitar em seu leito sugar bem de leve o seu peito em seu corpo me ajustar... Um grande abraço

Regina Coeli Carvalho disse...

Walker,
Como não tenho seu contato deixo por aqui a resposta.
Vou procurar o poema, digito e posto essa semana para você.
Saudações.

kaka disse...

Sou a filha do Contani me envia aqui seu email e mando o livro pra você. Sempre bom conhecer pessoas que admiravam o trabalho do meu pai. contani@ig.com.br