terça-feira, 15 de setembro de 2009

Lembrancinha do tempo



Desde pequena,
a poesia escolheu meu coração.
Através de sua inconfundível mão,
colheu-o e o fez
se certificando da oportunidade
e da profundeza da ocasião.
Como era um coração ainda raso,
de criança que se deixa fácil levar pela mão,
sabia ela que o que era fina superfície clara até então,
seria um dia o fundo misterioso do porão.
Desde menina
a poesia fala ao meu coração.
Escuto sua prosa,
quase toda em verso.
Escuto-a como se fosse ainda miúda e depois,
só depois, é que dou minha opinião.
Desconfio que minha mãe me entregou a ela.
A suspeita, a desconfiança pode ter sido fato,
se a mão materna, que já aos onze
me levou à aula de declamação,
não for de minha memória uma delicada ilusão.
Desde pirralha e sapeca
a poesia, esperta, me chama ao quintal;
me seqüestra apontando ao meu
olho o crepúsculo,
fazendo-me reparar, dentro
da paisagem graúda,
o sutil detalhe do minúsculo.
Distingue pra mim a figura do seu fundo,
o retrato de sua moldura
e me deu muito cedo a loucura
de amar as tardes com devoção.
Talvez por isso eu me
entrelace desesperada às saias
dos acontecimentos,
me abrace, me embarace às suas pernas
almejando detê-los em mim,
querendo fixá-los, porque sei que passarão.
A poesia que desde sempre,
desde quando analfabeta das letras
ainda eu era
me freqüenta, faz com que eu escreva
pra trazer lembrança de cada instante.
Assim até hoje ela me tenta e se tornou
um jeito de eu fazer durar o durante,
de eu esticar o enquanto da vida
e fazer perdurar o seu momento.
Desse encontro eu trago um verso como
um chaveirinho trazido de um passeio a uma praia turista,
um postal vindo de um museu renascentista,
um artesanato de uma bucólica vila,
uma fotografia gótica de uma arquitetura de convento,
uma xicrinha,
um pratinho com data e nome do estado daquele sentimento.
É isso a poesia: um souvenir moderno,
um souvenir eterno do tempo.

Elisa Lucinda

Um comentário:

Marilia disse...

Querida amiga Regina e querida autora deste magnífico Poema.Eu penso que a partir do momento que todos nós somos gerados, num momento de poesia que nos passa das entranhas da nossa MÃE e do fabuloso bailado dos espermatozóides do nosso Pai que como em ritmo de Valsa Corteja o óvulo, isto é de uma solene musicalidade e poesia.Mais ou menos todos nascemos com este Dote.Marília Soares