quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Claire Feliz Regina

Quando estive em São Paulo fui convidada pelo amigo poeta do #Versificados, André Al. Braga, a assistir ao Sarau da Casa das Rosas. Lá conheci uma senhorinha, jovial, poetisa, alegre e embora com a filha hospitalizada compareceu ao evento por ter se comprometido anteriormente.
Ao final fui cumprimentá-la e abraça-la contagiada com a alegria que ela apresentou sua poesia.

A estrada da vida

A cidade onde eu nasci
As ruas por onde andei
Os lugares que eu conheci
E as paredes onde eu amei.

Deles eu nunca me esqueci

São os lugares da minha vida
Espaços da minha memória
Se um dia eu for poeta
Vou cantar em sua glória.

Ela pensa que se lembra de todos
Mas, há uma estrada que anda muito esquecida
Justamente aquela, que foi a primeira,
Por todos nós percorrida.

Nenhum poeta fez versos para ela
Nem você, se lembra do nome dela

"Perereca", " xoxota" e até " periquita"
São nomes que dão para ela
Mas, você sabe na verdade o que ela é
Ela é a porta de entrada da vida

E se você não nasceu de cesariana
Tenha mais carinho ainda com a

"perseguida"

Pois, ela já foi um dia
A sua única saída.

Claire Feliz Regina



2 comentários:

Maria Thereza disse...

Poxa Rê, to chorando!!!! :o(
Que mulher é essa? Me pareceu inteira e versátil demais nos tempo que contam os tempos dela! Sua idade, no mesmo tempo de jovem, como seria difícil expor tais poesias!
Amei, vc tinha razão...fazendo reflexão tb pq gente é gente!
Beijos e obrigada!

Amaris poesia disse...

Re...vc sabe das coisas. Quando vc admirou esta sra., não foi à toa.
Este poema tem o humor e a verdade...é interessante mesmo, da mesma forma que a autora que nos deu uma lição de vida.

Eita tarde gostosa que passamos, né amiga-irmã...

Teu trabalho continua lindo, por aqui...venho de vez em quando, porque minha frequencia na net diminuiu pelas idas e vindas desta vida. Amiga querida, admiro tudo o que vc faz, mesmo que nem sempre eu possa deixar escrito.

Tua amiga de sempre...
Damáris