segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Poemas Errados (Dias Intranqüilos)






 

O homem debaixo do banco
Mendigando
Sujo e caduco
Segue andando
Com muito pouco
O vagabundo

Na praça, debaixo do banco
Vigiado pelo herói de bronze
Dorme tranqüilo o saltimbanco
Por horas: nove, dez, onze...

E eu, passando admirado
Vejo-o ali, jogado
E recordo que não me lembro mais
Quando dentro do meu sobrado
Dormi com tanta paz
André Al. Braga

3 comentários:

vivian disse...

Oi Rê,
Gosto de passear no seu Canteiro pois sempre encontro autores novos.
Poesia de grande sensibilidade.
abs.

Max disse...

Interessante que hoje pela manhã pensava sobre isso quando passei e vi um velhinho dormindo embaixo de um viaduto.
Parabéns pro poeta que retratou com tanta sensibilidade esse problema dos nossos tempos.

André Al Braga disse...

Vlw Regina pela consideração e pelo carinho!

Bjs

André Al Braga